Marcílio Dias, uma paixão centenária

Clube foi fundado em 1919 e está marcado na história de Itajaí


Além de ter o estádio localizado no coração de Itajaí, entre as principais avenidas (Coronel Marcos Konder e Sete de Setembro), bem no centro da cidade, o Marcílio Dias está no coração do cidadão e torcedor itajaiense. No domingo (17), o time completou cem anos de fundação.

Foi em 17 de março de 1919 que essa história começou a ser escrita. Homenageando um guerreiro negro, o clube náutico ganhou o nome de Marcílio Dias e começou em outras modalidades, como o remo. As cores azul e vermelho foram para homenagear clubes náuticos da capital catarinense.

A história do “Marinheiro” se confunde com a história de Itajaí. E, apesar da identificação ter se perdido um pouco nos últimos anos, ela está voltando em um dos momentos mais importantes do clube: o centenário, com uma boa campanha na Série A do Campeonato Catarinense.

O time começou com desconfiança por parte de alguns após duas derrotas diante de adversários de peso, como Chapecoense e Criciúma. Depois, foi se levando aos poucos, diante de muito trabalho e ocupa hoje a quarta posição da tabela com 20 pontos conquistados.

Apesar da derrota por 1 a 0 para o Brusque no sábado (16), nem mesmo isso foi capaz de estragar o momento e a festa do centenário para o torcedor, realizada no estádio Doutor Hercílio Luz. Entre tantas palavras, o presidente Lucas Brunet descreveu o momento em uma frase: “estamos vivendo um sonho”.

O planejamento inicial de todos foi com os pés no chão, com a missão de pelo menos manter o clube na elite. O objetivo já foi alcançado e o clube passou a mirar coisas ainda maiores: vaga na Série D e, por que não, na Copa do Brasil?

A diferença de apenas um ponto para o Brusque, quinto colocado, apertou um pouco o planejamento, mas a sequência do trabalho é uma certeza para o técnico Waguinho Dias. “Vamos continuar como estávamos, para tentar reencontrar o caminho das vitórias”, disse em coletiva pós-jogo.

A importância da torcida

Podendo ser considerada o décimo segundo jogador, a torcida rubro-anil não deixa de fazer seu papel em nenhum jogo do campeonato, dentro ou fora do Gigantão das Avenidas. Tanto que o Marcílio tem a terceira melhor média de público, sendo superado apenas por Figueirense e Chapecoense.

O presidente Lucas considera a transparência do clube como um dos principais motivos para a retomada do público. “Fizemos eles acreditar em novamente no clube e nas pessoas que aqui estão”, disse.

Para Flávio Roberto, assessor de imprensa do clube, a cidade está respirando Marcílio Dias. “As pessoas voltaram a sentir aquela emoção que sentiam antigamente com o Marcílio. Essa comunhão entre torcida e atletas vai refletir nos próximos passos que a gente vai ter”, completou.

A torcida marca presença nas arquibancadas do Gigantão. Foto: Bruno Golembiewski

O mascote pé quente

Quem também tem feito sucesso junto com o time é o mascote Marujo. O cachorrinho foi adotado pelo clube após aparecer em um evento no Pub do Marinheiro ano passado e ganhou o coração de torcedores e atletas.

Todo mundo se rende aos encantos do cachorrinho. Em dia de jogo, ele aparece nas arquibancadas uniformizado e posa para fotos, assiste a partida e desperta a atenção.

Junto com a chegada dele, o time embalou em campo. Os torcedores mais supersticiosos acreditam que o Marujo pode ser o amuleto da sorte por causa disso.

A torcida adora o mascotinho. Foto: Fabrício Mezoni


Nos siga nas redes sociais: InstagramFacebook Twitter

Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive no estádio

Assim como foi preciso lutar por espaço em muitas áreas, sejam elas pessoais ou profissionais, as mulheres também precisam lutar para poder frequentar os estádios de futebol. Preconceito e assédio são situações comuns enfrentadas por elas. Para mudar isso, grupos se reúnem para se fortalecer no mesmo objetivo. Movimentos assim estão ganhando cada vez mais voz no país.  

Recentemente, a #TorçaComoUmaMulher invadiu as redes sociais. A hashtag fazia parte de uma ação promovida por grupos de mulheres torcedoras de times de norte a sul do Brasil. Com mensagens parecidas e usando cores em referência a seus clubes, elas propagaram mensagens para fortalecer a presença feminina nas bancadas de estádios.

Nessa semana, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado hoje (8), o Globo Esporte exibiu duas reportagens especiais com torcedoras dos quatro principais clubes do estado de São Paulo. Corintianas, palmeirenses, santistas e são-paulinas se uniram para contar experiências e dar força umas às outras.

A rivalidade foi deixada de lado, como se não existisse. As Verdonnas, grupo formado por torcedoras palmeirenses, inspiraram o surgimento da torcida Movimento Alvinegras. A Bancada das Sereias representa o Santos e a Sãopraelas representa o São Paulo. “Antes de nós sermos rivais, nós somos mulheres e estamos lutando pela mesma causa”, disse uma das torcedoras do Palmeiras.

Ao redor do país, outros times homenagearam suas torcedoras, como forma de chamar cada vez mais elas para perto. O Avaí, time da capital catarinense, entrou em campo com uma camisa estampada com o slogan “Ela quer, ela pode” na parte da frente. Na parte de trás, palavras estampadas como amor, carinho, respeito, empoderamento e outras.

Jogadores do Avaí entraram em campo com uniforme homenageando elas. Foto: Avaí FC

O crescimento das ações e também a grande presença das mulheres, cada vez mais notável nos estádios de futebol, demonstra que ninguém vai deixar de fazer o que gosta. A resistência sempre fez parte do existir delas e não poderia sem diferente em algo que desperta tanta paixão.

Neste dia, torça como uma mulher, apoie seu time do coração como uma mulher, vista a camisa como uma mulher. Faça pelo seu time, porque lugar de mulher é sim onde ela quiser.

Tudo sobre a oitava rodada do Catarinense

Saiba quais serão os confrontos do fim de semana


Como todos os estados do país, Santa Catarina também tem seu campeonato com disputas a todo vapor nessa época do ano. O Campeonato Catarinense chega neste fim de semana à sua oitava rodada e tem jogos importantes que podem mexer com a classificação. Saiba um pouco sobre todos os confrontos:

Chapecoense x Figueirense – 16/02, 17h, Arena Condá:

Os dois times foram finalistas da última edição do Catarinense e se enfrentam pela primeira vez no estadual desse ano. O Figueirense é o líder e a Chape vem logo atrás. A pontuação na tabela é igual, sendo que cada um tem 17 pontos. A vantagem que mantém o Figueira em primeiro é o saldo de gols. O duelo de hoje pode definir quem abre vantagem e larga na frente em busca do título.

Hercílio Luz x Marcílio Dias – 17/02, 17h, Aníbal Costa:

O Marcílio Dias viaja até Tubarão para encarar o Hercílio Luz e defender sua posição entre os quatro classificados para a semifinal. O Marinheiro possui 11 pontos, enquanto o Hercílio tem seis. Enquanto os donos da casa precisam reagir para se distanciar da zona de rebaixamento, os visitantes querem chegar logo na meta estabelecida de 17 pontos.

Joinville x Criciúma – 17/02, 17h, Arena Joinville:

O duelo entre as duas equipes é considerado um dos grandes clássicos do estado, conhecido como Clássico do Interior. No duelo de domingo, as equipes ganham mais motivos ainda pra ir com tudo pro campo. O JEC não ganhou nenhuma partida até agora e é o primeiro time fora da zona de rebaixamento com seis pontos. Enquanto isso, o Criciúma é o primeiro fora da zona de classificação com nove pontos. Ou seja, um deles precisa vencer pra melhorar sua campanha e outro pra se garantir na próxima fase.

Metropolitano x Tubarão – 17/02, 17h, Sesi:

Os dois times da zona de rebaixamento se enfrentam no domingo, em Blumenau, para ver quem leva a melhor e consegue uma arrancada. O Metrô é o 9º colocado com três pontos e o Tubarão, que ano passado terminou o estadual em 3º, agora é o 10º com apenas dois pontos.

Avaí x Brusque – 17/02, 17h, Ressacada:

O Avaí está tranquilo na terceira posição com 13 pontos, enquanto o Brusque é outro que busca uma vaguinha entre os quatro classificados. O time da região do Vale do Itajaí tem os mesmos nove pontos do Criciúma e vem demonstrando uma reação no Catarinense após ter tido um início abaixo do esperado. 


Nos siga nas redes sociais: InstagramFacebook Twitter

Derrota por goleada: tragédias recentes e marcantes na história do esporte

Quando se fala em esporte, sempre vem na cabeça, emoção, comemoração ou qualquer outro sentimento que remeta às coisas boas. Mas, acreditem, existem situações em que todos perdem.

Tem dias que não existe cor, camisa, hino, divisão de torcida, rivalidade. Isso acontece quando as tragédias fazem surpresa e unem todos em um único sentimento de solidariedade.

Nos últimos tempos, acontecimentos abalaram torcedores, familiares e até mesmo aquelas pessoas que nem são tão ligadas assim:

Queda do avião da Chapecoense

Queda-aviao-Chapecoense--Reprodução--Twitter-@TheACMario_26632b26
Tragédia envolvendo aeronave deixou 71 mortos. Foto: Divulgação/Twitter @TheACMario

É possível afirmar que o Brasil inteiro estava na torcida pela Chapecoense naquela inédita final da Sul-Americana de 2016, do clube de Santa Catarina que teve uma meteórica ascensão. Desde estar sem divisão até chegar à decisão de uma competição internacional parecia o bastante, mas eles sabiam que podiam mais.

Os vídeos feitos antes e durante o voo registraram a alegria e ansiedade dos atletas. Mas ninguém sabia que o dia 29 de novembro passaria a ter um gosto amargo de tristeza e dor para o mundo inteiro.

O voo 2933 da LaMia foi do tipo charter, operado pela companhia com a identificação LMI2933, contratado pela própria Chapecoense. A aeronave, com destino ao Aeroporto Internacional José María Córdova em Rionegro, na Colômbia, passou por problemas elétricos e o piloto declarou situação de emergência.

Ao total, dos 77 passageiros entre jogadores, comissão técnica, jornalistas e tripulantes, 71 morreram. Quase toda a delegação da Chapecoense. Apenas três atletas sobreviveram: Alan Ruschel, Neto e Jakson Follmann.

Hoje, os atletas já retomaram sua vida. Alan Ruschel é o único que ainda joga. Inclusive, casou e foi pai recentemente. Follmann amputou uma das pernas e não joga mais, mas faz parte da Chapecoense. Neto ainda trabalha para se recuperar.


Desaparecimento do avião de Emiliano Sala

2019-01-30t170548z_1218097545_rc1a3575c950_rtrmadp_3_soccer-france-nan-ste
Torcedores do Nantes fizeram muitas homenagens ao jogador Emiliano. Foto: Stephane Mahe/Reuters

O ano começou com muita expectativa para o torcedor do Cardiff após o anúncio da nova contratação. O atacante argentino Emiliano Sala foi o mais caro da história do time galês. E deveria chegar ao país em breve para vestir a camisa e ser oficialmente apresentado.

A aeronave, um monomotor modelo Piper Malibu, desapareceu no dia 21 de janeiro depois de decolar do aeroporto de Nantes, na França. Além do jogador de 28 anos, o piloto David Ibbotson, de 59 anos, também estava a bordo.

O avião perdeu contato com a torre de monitoramento a cerca de 20 quilômetros ao norte da ilha Guernsey, no Canal da Mancha. E desapareceu sem deixar sinais, tanto que as buscas chegaram a ser suspensas por nenhuma pista ter sido encontrada.

Depois do apelo de jogadores como Lionel Messi, familiares de Sala, torcedores e através de doações, as buscas foram retomadas. O avião foi encontrado quase intacto, para surpresa do barco que o localizou.

Quando apareceram as primeiras notícias sobre o sumiço, um áudio de Sala enviado a um amigo relatava o desespero do atacante pela qualidade da aeronave.

“Estou aqui em cima, em um avião que parece que está a cair os pedaços e estou indo para Cardiff logo pela manhã (…). Se em uma hora e meia não tiver novidades minhas, não sei se vão mandar alguém me buscar” dizia ele.

Nesta quinta-feira (7), as autoridades envolvidas nas buscas e investigação confirmaram que o corpo encontrado próximo ao avião era de Emiliano Sala. Em homenagem ao jogador, o Nantes comunicou que aposenta o número 9 usado por ele.

“Como Emiliano Sala sempre fará parte das lendas que escreveram a grande história do FC Nantes, o número 9 que ele usou foi aposentado”.

Incêndio no Ninho do Urubu

Incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo. Créditos: Divulgação.

Um dia depois da confirmação acima, que abalou bastante os amantes do futebol, o Brasil acordou com mais uma notícia triste. Um incêndio no Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo, deixou pelo menos dez meninos mortos. Eles tinham idades entre 14 e 17 anos.

Os meninos estavam dormindo quando o fogo começou e isso contribuiu para que a tragédia ficasse ainda maior. Segundo informações iniciais, o problema foi causado por causa do ar-condicionado de um dos quartos.

Quatro jogadores da base, quatro funcionários do clube e dois meninos que faziam testes foram identificados entre as vítimas. Além disso, outros ficaram feridos e foram encaminhados para um hospital especialista em lesões por queimadura.

De acordo com a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, o CT ainda não possuía o laudo de aprovação. O processo de regularização das instalações já havia começado, mas o Flamengo não tinha todos os documentos emitidos.

As semifinais da Taça Guanabara, que seriam realizadas neste final de semana, foram adiadas em respeito às vítimas da tragédia.


Luto por todos aqueles que partiram na tentativa de realizar seus sonhos. O Jornaleiros deseja conforto e presta condolências aos familiares das vítimas envolvidas nas tragédias.

Nos siga nas redes sociais: InstagramFacebook Twitter

A busca pelo tetra: São Paulo estreia na Libertadores

Libertadores
Divulgação/Conmebol

O São Paulo está em sua 19ª participação na Copa Libertadores da América, sendo o brasileiro que mais participou do torneio junto com o Grêmio e o Palmeiras. Além disso, o tricolor paulista também é o time que possui três títulos. A noite desta quarta-feira (06) marca o início da caminhada por mais um capítulo dessa história.

Depois de pintar o continente de vermelho, preto e branco nos anos de 1992, 1993 e 2005, a última participação do time, em 2016 passou perto. O time foi eliminado na semifinal pelo Atlético Nacional de Medellín, que viria a ser campeão.

Neste ano a caminhada do tricolor é um pouco mais longa, já que o time entra na competição duas etapas antes da fase de grupos. Para chegar até lá, é preciso vencer primeiro os argentinos do Talleres. O primeiro jogo, às 21h30 de hoje, é na casa dos adversários.

Caso passe das duas fases, o São Paulo integrará o grupo A, considerado por muitos como o ‘grupo da morte’ dessa edição. Isso porque o tricolor se juntaria ao Alianza Lima, ao atual campeão River Plate e ao Internacional.

Início de temporada

Apesar do início instável nos primeiros jogos do ano, tendo três vitórias e duas derrotas nos cinco jogos disputados até aqui, o aspecto não deve ser levado pra Libertadores.

Vivendo quase um caso de amor com o torneio preferido, o São Paulo costuma crescer na competição. Sem falar no ‘peso’ da camisa, como o torcedor gosta de falar. A tradição também costuma entrar em campo pra dar uma forcinha a mais.

5c04622e00307
Rubens Chiri/saopaulofc

A volta do Profeta

Anunciado pelo São Paulo em dezembro, o meia Hernanes viajou com o time para disputar a Flórida Cup, torneio amistoso nos Estados Unidos. Depois, foi identificado um desgaste muscular que tirou o Profeta dos primeiros jogos no Campeonato Paulista.

Hernanes fez trabalhos separados do restante do grupo, recebendo uma atenção especial da comissão técnica e preparadores. A intenção era garantir que ele estivesse 100% para esses primeiros desafios na Libertadores.

Na derrota por 1 a 0 contra o Guarani, pelo Paulistão, o meia esteve em campo por alguns minutos para pegar ritmo de jogo. O mesmo aconteceu na vitória por 1 a 0 contra o São Bento, onde o gol(aço) foi marcado por ele mesmo.

310817SPFC11-copy-1024x681-1024x630
Divulgação/saopaulofc

Escalação

No último treino antes da estreia, realizado em Córdoba, na Argentina, o técnico André Jardine fechou a parte em que testava a equipe que deve ir a campo. Mas há um esboço dos 11 que devem representar a equipe hoje.

A equipe titular deve ser: Tiago Volpi; Bruno Peres, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei (Willian Farias), Hudson e Hernanes; Nenê (Diego Souza), Everton e Pablo.